ARANDELA

por Marcus Fabiano

gesso

penso a cal dos ossos sobre teu perfil de faca e me vem um poço de virtudes e o quanto valesse o esforço em drená-las a essa platitude de vícios onde vicejamos entre autômatos hidropônicos. Nietzsche sempre facilitou a covardia desses praguejos contra uma mediocridade alheia e abstrata. mas sob essas tão mesmas condições de temperatura e pressão, qualquer átimo de ódio curva-se à preguiça ferruginosa de um céu menos notado que a arandela carcomida estrangulando o bojo ao redor da lâmpada de duvidosos 40 watts. as mãos sobre o vazio do estômago e mais acima um frenesi de insetos orbitando o globo morno. entre fome e sono, fermenta uma dúvida estúpida a respeito daquele falso firmamento esboroando-se pelos cantos: haveria a rubrica gesseiro no magérrimo catálogo telefônico dessa estalagem de fim de mundo? e no anúncio: forros, sancas, estátuas de jardim e imagens de santos. Moacir gessos finos. orçamento sem compromisso.

.

Anúncios